home
Equipe   |   Sobre a Rádio Bandeirantes   |   Podcast   |   Fale Conosco     
Notícias      Colunistas       Fotos       Especiais       Programação       Escola Voluntária       Serviços      Comercial
     Política   |   Economia   |   Esportes   |   Saúde   |   Outras Notícias

FALE COM A RB


RB NO CELULAR

Saiba mais

PROGRAMAS
  Antenados
  A Caminho do Sol
  Arquivo Musical
  Bandeirantes Acontece
  Bastidores do Poder
  Chansons D`Amour
  Concentração
  Domingo Esportivo Bandeirantes
  Entenda Direito
  Esporte em Debate
  Esporte Notícia
  Esporte Notícia Internacional
  Essa é pra você
  Fôlego
  Jornal de Amanhã
  Jornal do Sábado
  Jornal Gente
  Jornal Primeira Hora
  Manhã Bandeirantes
  Memória
  Na Estrada
  Na Geral
  O Pulo do Gato
  Pé na Estrada
  Rádio Livre
  Sábado de Classe
  Smart RB
  Sofá Bandeirantes
  Terceiro Tempo
  Você É Curioso?
» Sexta-feira, 13 de julho de 2012 - 07h39
Presidente Dilma Rousseff rebate as críticas contra o fraco desempenho da economia do país em 2011
O Produto Interno Bruto do país registrou uma pequena redução em maio deste ano, segundo informações divulgadas ontem pelo Banco Central.

De acordo com o Índice de Atividade Econômica, que busca antecipar o resultado do PIB, houve uma queda de 0,02% em relação a abril.

A autoridade monetária afirma que nos últimos 12 meses o Brasil cresceu apenas 1,27%.

O BC não foi o primeiro a apontar o recuo da economia; a produção industrial também mostrou redução de 0,9% em maio.

Por isso, a Confederação Nacional da Indústria revisou de 3 para 2,1% o crescimento brasileiro.

A presidente Dilma Rousseff aproveitou a participação em uma conferência sobre os direitos das crianças e adolescentes para relativizar os números.

E destacou que o desenvolvimento de um país se mede pelo cuidado com a parcela mais jovem da população e não pelo PIB.

O Ministério da Fazenda se comprometeu com um crescimento do PIB superior aos 2,7% de 2011 e fixou a expectativa em uma alta de 4%.

O Banco Central já reduziu a projeção de 3,5% para 2,5%; já o mercado financeiro espera menos ainda: algo próximo de 2%.

Preocupado com os rumos da economia, o ministro da Fazenda pressiona o Congresso pela aprovação das medidas provisórias 563 e 564.

As MPs estimulam o crescimento com a desoneração da folha de pagamento das empresas e põe fim ao limite para a renegociação de dividas com os bancos.

Os textos ainda preveem a redução dos juros do BNDES para investimentos.

Guido Mantega considera inconcebível retardar a aprovação de ações importantes em um momento de crise e quer a votação antes do recesso parlamentar.

O comentário de Joelmir Beting:

Ouça agora
Download