home
Equipe   |   Sobre a Rádio Bandeirantes   |   Podcast   |   Fale Conosco     
Notícias      Colunistas       Fotos       Especiais       Programação       Escola Voluntária       Serviços      Comercial
     Política   |   Economia   |   Esportes   |   Saúde   |   Outras Notícias

FALE COM A RB


RB NO CELULAR

Saiba mais

PROGRAMAS
  Antenados
  A Caminho do Sol
  Arquivo Musical
  Bandeirantes Acontece
  Chansons D`Amour
  Ciranda da Cidade
  Concentração
  Domingo Esportivo Bandeirantes
  Esporte em Debate
  Esporte Notícia
  Esporte Notícia Internacional
  Fôlego
  Jornal da Hora
  Jornal de Amanhã
  Jornal do Sábado
  Jornal em Três Tempos
  Jornal Gente
  Jornal Primeira Hora
  Manhã Bandeirantes
  Memória
  Na Estrada
  Na Geral
  O Pulo do Gato
  Pole Position
  Rádio Livre
  Sábado de Classe
  Sofá Bandeirantes
  Terceiro Tempo
  Você É Curioso?
» Quinta-feira, 09 de agosto de 2012 - 13h45
INSS: Primeira parcela do 13.º começa a ser paga no fim de agosto
A presidente Dilma Rousseff assinou nesta semana o decreto que antecipa a primeira parcela do décimo terceiro salário para os aposentados e pensionistas.

A previdência vai pagar a primeira parcela do décimo terceiro salário entre 27/08 e 10/09. Os aposentados e pensionistas vão receber a antecipação junto com o pagamento mensal.

O valor da primeira parcela do abono, para a maioria dos aposentados e pensionistas, equivale a cinquenta por cento do rendimento mensal. A exceção é para quem teve o benefício iniciado depois de janeiro deste ano. Nesse caso, o valor do abono será proporcional.

Os beneficiários que recebem auxílio-doença também têm direito ao décimo terceiro. Como esse benefício é temporário, o valor será proporcional ao período em que a pessoa estiver recebendo o auxílio.

É importante lembrar que não haverá desconto de imposto de renda nesta primeira parcela do décimo terceiro. O imposto de renda só será cobrado no fim do ano, quando é paga a segunda parcela da gratificação natalina.

INSS fecha acordo para pagar revisão de benefícios por incapacidade

O INSS anunciou na semana passada um acordo com o ministério público para o pagamento de revisão dos benefícios por incapacidade concedidos entre 1999 e 2009. Você pode falar mais sobre essa revisão e explicar quem tem direito ao recebimento?

Sim. Os benefícios por incapacidade, ou seja, auxílios-doença e aposentadorias por invalidez, concedidos entre 1999 e 2009 tiveram a renda inicial calculada abaixo do valor correto..

Para a correção desse cálculo, o INSS vai reajustar, a partir de 2013, 491 mil benefícios ainda ativos. Além disso, outros dois milhões e trezentos mil segurados que já tiveram seus benefícios cessados também vão receber os atrasados referentes aos últimos cinco anos.

Os segurados que ainda recebem o benefício vão ter o reajuste incorporado ao pagamento a partir de janeiro de 2013. Nesse caso, o pagamento dos atrasados será escalonado, no período de 2013 a 2019, de acordo com a idade do beneficiário.

Já os segurados que já tiveram o benefício cessado, receberão os atrasados entre 2019 e 2022.

É importante destacar que a revisão vai ser feita administrativamente. O INSS vai enviar carta aos segurados com direito à revisão, na época do pagamento, informando a data e o valor a sacar. Assim, os beneficiários não devem ir até as agências da previdência social para pedir essa revisão.
Vale também lembrar, que a revisão atinge apenas os auxílios-doença, aposentadorias por invalidez e pensões decorrentes desses benefícios. As aposentadorias por idade e por tempo de contribuição não têm direito a essa revisão.

Benefícios da previdência social que podem ser acumulados

Para finalizar, existem situações em que a pessoa pode receber mais de um benefício da previdência social.

Por exemplo, é possível acumular pensão por morte de cônjuge ou companheiro com pensão por morte de filho ou duas ou mais pensões de filhos. Também é possível acumular aposentadoria com pensão por morte, auxílio-doença com auxílio-acidente e auxílio-doença com pensão por morte.

É bom lembrar que não é permitido acumular pensões por morte de cônjuge, duas aposentadorias da previdência social e nem amparo assistencial com qualquer outro benefício da previdência.