home
Equipe   |   Sobre a Rádio Bandeirantes   |   Podcast   |   Fale Conosco     
Notícias      Colunistas       Fotos       Especiais       Programação       Escola Voluntária       Serviços      Comercial
     Política   |   Economia   |   Esportes   |   Saúde   |   Outras Notícias

FALE COM A RB


RB NO CELULAR

Saiba mais

PROGRAMAS
  Antenados
  A Caminho do Sol
  Arquivo Musical
  Bandeirantes Acontece
  Chansons D`Amour
  Ciranda da Cidade
  Concentração
  Domingo Esportivo Bandeirantes
  Esporte em Debate
  Esporte Notícia
  Esporte Notícia Internacional
  Fôlego
  Jornal da Hora
  Jornal de Amanhã
  Jornal do Sábado
  Jornal em Três Tempos
  Jornal Gente
  Jornal Primeira Hora
  Manhã Bandeirantes
  Memória
  Na Estrada
  Na Geral
  O Pulo do Gato
  Pole Position
  Rádio Livre
  Sábado de Classe
  Sofá Bandeirantes
  Terceiro Tempo
  Você É Curioso?
» Segunda-feira, 03 de março de 2014 - 07h35
A fraude na habilitação de pilotos pela Anac mobiliza a Câmara dos Deputados, em Brasília
O presidente da Comissão de Viação e Transportes da Casa, Arnaldo Faria de Sá, quer explicações.

Depois de assistir à denúncia da Band sobre o esquema de corrupção na Agência Nacional de Aviação Civil, o parlamentar disse que vai convocar uma audiência pública para ouvir os envolvidos.

A investigação feita pela Anac revelou que pelo menos 64 pilotos tiveram as habilitações falsificadas há quase quatro anos para voar no Brasil e no exterior.

O esquema envolvia desde alteração em provas de inglês e validade dos registros até troca de categorias sem que os profissionais estivessem capacitados.

Um piloto, que não quis se identificar, lembra que é preciso passar por diversos cursos para ganhar autorizações específicas para comandar as aeronaves.

A mesma regra vale para quem está na cabine dos aviões.

Mas o relatório, com mais de 1800 páginas, mostra em detalhes como o sistema era burlado por funcionários da Anac, despachantes e comandantes.

O piloto ouvido pela reportagem da Band conta como o esquema funcionava.

Doze dos pilotos investigados fraudaram as provas de inglês.

No sistema, eles tiveram uma nota alta em fluência na língua estrangeira, mas os exames revelam erros primários.

Em 2010, a Anac enviou o processo para a Procuradoria Geral da República.

Dois anos depois, o relatório foi repassado para a Polícia Federal, mas o inquérito ainda não foi concluído.

Enquanto isso, profissionais envolvidos no esquema continuam em atividade.

Vítor Alves da Silva, por exemplo, aparece nas investigações com as datas de validade das habilitações alteradas no sistema da Anac.

Ele reconheceu ter voado com a documentação vencida, mas negou qualquer participação na fraude.

Vítor é comandante da TAM e pilota um Airbus.

A companhia não atendeu ao pedido de entrevista com o profissional.

Em nota, a empresa informou que os pilotos contratados estão com as autorizações para voo em dia e que todos cumprem os treinamentos previstos pela Anac.

Um dos principais envolvidos no esquema foi estagiário do Departamento de Licenças da agência.

Alexandre José de Oliveira Júnior está preso por tráfico internacional de drogas.

Nesta semana, a Polícia Civil de São Paulo informou que ele era responsável pelo treinamento de pilotos que agiriam no resgate de líderes do PCC no interior paulista.

Os investigadores suspeitam de que os criminosos iriam se beneficiar do esquema para conseguir as habilitações falsas.

Outro golpe, mais antigo, continua presente na aviação brasileira.

Ele é conhecido como "hora BIC", porque há alguns anos pilotos forjavam na canetada o tempo de voo nas carteiras.

A falsificação ainda é usada por recém-formados que precisam comprovar experiência para conseguir emprego ou subir de categoria.

Eles lançam na base de dados horas voadas sem sair do chão.

O diretor do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Mateus Ghisleni, ressalta a gravidade do esquema.

Mesmo com o novo processo eletrônico usado pela Anac, pilotos afirmam que é possível burlar o sistema.

O Ministério Público Federal em Goiás e no Pará já movem ações civis públicas, com pedido de liminar, contra a agência, exigindo mais rigor na fiscalização.

A fraude também teve repercussão internacional.

Autoridades da aviação civil dos EUA ficaram preocupadas com a denúncia e pretendem pedir explicações ao governo brasileiro.

Os comandantes flagrados na investigação podem ficar impedidos de voar no espaço aéreo americano.

Ouça agora
Download