home
Equipe   |   Sobre a Rádio Bandeirantes   |   Podcast   |   Fale Conosco     
Notícias      Colunistas       Fotos       Especiais       Programação       Escola Voluntária       Comercial
     Política   |   Economia   |   Esportes   |   Saúde   |   Outras Notícias

FALE COM A RB


RB NO CELULAR

Saiba mais

PROGRAMAS
  90 Minutos
  Antenados
  A Caminho do Sol
  Arquivo Musical
  Bandeirantes Acontece
  Bastidores do Poder
  Chansons D`Amour
  Concentração
  Domingo Esportivo Bandeirantes
  Esporte em Debate
  De Primeira
  Esporte Notícia Internacional
  Fôlego
  Jornal de Amanhã
  Jornal Gente
  Jornal Primeira Hora
  Memória
  Na Estrada
  O Pulo do Gato
  Pole Position
  Rádio Livre
  RádioDoc
  RB News
  Resenha, Futebol e Humor
  Sábado de Classe
  Terceiro Tempo
  Você É Curioso?
» Sexta-feira, 19 de maio de 2017 - 08h45
Planalto desconfia que gravação foi editada
O Planalto vai enviar para peritos a gravação da conversa entre o empresário Joesley Batista, da JBS, e o presidente Michel Temer. Aliados do governo desconfiam que o conteúdo foi editado. As informações são do Painel da Folha de S. Paulo desta sexta-feira.

Se for comprovada a existência de montagem nos áudios, o governo vai se apoiar na ideia de que Temer foi vítima de uma ?conspiração?. O auxiliares do peemedebista ainda vão reforçar o discurso de que o grampo foi ilegal, já que foi feito sem autorização da Justiça.

Na conversa de quase 39 minutos, gravada no dia 7 de março, no Palácio do Jaburu, Temer dá aval para a compra do silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Operação Lava Jato.

No diálogo, Joesley diz ao peemedebista que estava pagando uma mesada a Cunha e a Lúcio Funaro, apontado como operador do ex-presidente da Câmara, também preso na Lava Jato, para que ambos ficassem em silêncio sobre irregularidades envolvendo aliados. "Tem que manter isso, viu?", diz Temer a Joesley.