home
Equipe   |   Sobre a Rádio Bandeirantes   |   Podcast   |   Fale Conosco     
Notícias      Colunistas       Fotos       Especiais       Programação       Escola Voluntária       Comercial
     Política   |   Economia   |   Esportes   |   Saúde   |   Outras Notícias

FALE COM A RB


RB NO CELULAR

Saiba mais

PROGRAMAS
  90 Minutos
  Antenados
  A Caminho do Sol
  Arquivo Musical
  Bandeirantes Acontece
  Bastidores do Poder
  Chansons D`Amour
  Concentração
  Domingo Esportivo Bandeirantes
  Esporte em Debate
  De Primeira
  Esporte Notícia Internacional
  Fôlego
  Jornal de Amanhã
  Jornal Gente
  Jornal Primeira Hora
  Memória
  Na Estrada
  O Pulo do Gato
  Pole Position
  Rádio Livre
  RádioDoc
  RB News
  Resenha, Futebol e Humor
  Sábado de Classe
  Terceiro Tempo
  Você É Curioso?
» Sábado, 13 de janeiro de 2018 - 06h16
Sobe para 21 o número de mortes por febre amarela registrado no estado de São Paulo
A informação foi divulgada em primeira mão na Rádio Bandeirantes pelo secretário estadual da Saúde.

O levantamento indica ainda que 40 pessoas foram contaminadas com a doença entre janeiro de 2017 e os primeiros dias de 2018.

Os casos apareceram em 19 dos 645 municípios do estado - Mairiporã, na Grande São Paulo, tem a maior incidência: 8 registros.

Uip explica que as festas de fim de ano contribuíram para o aumento porque as pessoas viajam mais e, agora, o carnaval é a grande preocupação.

Segundo o secretário, 14 milhões de pessoas já foram vacinadas e a previsão é de que mais 7 milhões sejam imunizadas no mutirão que começará no dia 3 de fevereiro.

David Uip afirma que, apesar do crescimento dos casos, não há motivo para pânico e só quem vive em áreas de risco, ou seja, perto de matas, deve se preocupar mais.

Em breve, a vacina contra a febre amarela entrará no calendário de imunização obrigatória em todo o Estado de São Paulo.

Foi o que revelou em entrevista a José Luiz Datena, na Rádio Bandeirantes, o coordenador de doenças do Estado, Marcos Boulos


Dados da Secretaria estadual da Saúde mostram que, de julho de 2016 até agora, cerca de 2 mil e 500 macacos foram encontrados mortos com a suspeita da doença.

Os exames de análise laboratorial do Instituto Adolfo Lutz deram positivo para febre amarela em 617 carcaças.